segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Tropeçar em tartarugas

A sensação é a de estar longe de tudo, isolados com a natureza como companhia e esquecer tudo o que é menos importante. Após alguns meses foi bom regressar à simplicidade de João Vieira. É sempre especial voltar a um local que só nos traz boas recordações e onde somos sempre bem recebidos.

Terminou a época das chuvas e voltam os programas das ilhas. Um fim de semana mais comprido com feriado e são quatro dias de paraíso local. Fomos para as ilhas do sul, dormimos em João Vieira com direito a passagem pela ilha das tartarugas.

O primeiro dia terminou com fim de tarde e noite em Poilão. Foi tropeçar em tartarugas. Este ano vieram mais mães tartarugas, talvez duas ou três vezes mais. Algumas bem grandes. A animação das crianças e dos outros a correr atrás das tartarugas bebés e o primeiro mergulho. Houve também encontros simpáticos e espanholas à mistura. Umas caras conhecidas e outras visitas que um dia também serão. Não mudámos o dia, apenas tinha de ser assim. Não tínhamos barco depois…




Em João Vieira é sempre diferente mas igual. Há momentos para tudo. Uns procuram outros encontram. Há tempo para ler muito, descansar e comer chouriço e queijo ao fim do dia. Há tempo para jogar voleibol, futebol à chuva e dar voltas à ilha. Há tempo para fazer castelos, para nadar e atirar crianças ao ar. Há tempo para apanhar maracujá, para caçar borboletas e comer flores. Há tempo para dormir na rede, fotografias e conversar. Há tempo para ser picado, e para revitalizar o banho nu da meia-noite em noite de lua cheia ou pescar ao fim do dia com sol cor de laranja a cair no mar… e para peixe na mesa em grande quantidade. Sentir outra vez a areia nos pés e voltar cheio de cortes.






Um apontamento: o Parque Nacional Marinho de João Vieira e Poilão abrange quatro ilhas que não são habitadas permanentemente, João Vieira, Meio, Cavalo, e Poilão. Estas ilhas sagradas são apenas utilizadas ocasionalmente pelas populações das tabancas do arquipélago (maioritariamente Bijagós de Canhambaque) para fins cerimoniais e agrícolas, como cultivo do arroz ou produção do óleo de palma. A ilha de Poilão é o local mais importante de todo o Atlântico costa oriental para a desova da tartaruga verde.

Ontem recebi este interessante artigo sobre as ilhas Bijagós publicado no New York Times. Deixo o link:

3 comentários:

a girl with thirty disse...

Acho que é o teu texto que mais gostei de ler! As fotos estão lindas.

bjs

Joana Cruz disse...

Olá Miguel,

Gostei muito de "te" ler.
Este texto transportou-me até à minha saudosa Guiné e a um sítio que não conheço (ainda) mas que parece ser muito especial.
Espero um dia vir a conhecer este lado mágico da Guiné e ter um contacto mais próximo com a sua Natureza.

Continua a "dar-nos" fotografias destas.

Beijo

GM disse...

Este site foi-me recomendado por uma amiga. Não tinha esta visão da Guiné-Bissau. Estou agradavelmente surpreendido com a beleza natural, assim como com a qualidade dos textos, da informação e das fotos. Muito bom.