quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Dia de Eleições

Domingo, dia 16, foi dia de eleições legislativas na Guiné-Bissau.

O processo desenrolou-se sem sobressaltos de maior. A comunidade internacional e as Missões de Observação Eleitoral foram unânimes em afirmar que tudo se passou dentro da normalidade. Os pequenos problemas apontados são desvalorizados e considerados insignificantes em termos de alteração de resultados. Algumas assembleias de voto por falta de material estiveram impedidas de trabalhar mas tudo parece resolvido e foi já encontrada solução. Os últimos eleitores votaram na 2ª feira. Os salários dos funcionários que acompanharam o processo também foram regularizados. Mais do que problemas ao nível logístico as eleições na Guiné-Bissau, bem como em diversos países africanos, sofrem de outros males bem maiores. A população raramente está bem informada, desconhecem o que está em causa e muitos não sabem utilizar uma caneta. São estes, no fim, aqueles que são mais prejudicados. De salientar, no entanto, a elevada taxa de participação. "Entre 70% e 80% dos quase 600 mil eleitores fizeram uso do seu direito de voto, na esperança de que o país ultrapasse, na estabilidade, as dificuldades, entre as quais o narcotráfico e o desemprego." Nada comparável a outras democracias bem mais nossas conhecidas.







Como seria de esperar e ainda antes de serem publicados os primeiros resultados oficiais provisórios já surgiram as primeiras reclamações. O antigo presidente da Guiné-Bissau e líder do Partido da Renovação Social (PRS), Mohamed (Kumba) Yalá, em conferência de imprensa disse não aceitar os resultados das eleições. O antigo Presidente, apesar da Comissão Nacional de Eleições ainda não ter publicado qualquer resultado ou previsão, denunciou já uma campanha para manipular os resultados das legislativas de domingo, sublinhando que não iria aceitar números "forjados".




Os comentários recebidos em relação às fotografias anteriores têm a seguinte resposta: não ando sempre com máquina fotográfica e nem sempre tenho possibilidade ou disponibilidade de seguir todos os comícios ou actividades partidárias. Não é o meu trabalho. Só para que fique esclarecido eu não sou, obviamente, apoiante de nenhum partido.

http://dn.sapo.pt/2008/11/17/internacional/esperanca_e_forte_afluencia_urnas_gu.html

1 comentário:

alecrim aos molhos disse...

È tão bom saber que pode continuar a Paz e a tranquilidade neste pais de pessoas lindas.
Obrigada Miguel pelas interessantissimas fotos e positivas palavras.
Encontramo-nos muito em breve.Estou a fazer as malas.
1 abraço.
Clara